Búzio

alin-ciortea78

Nada. Ninguém. A sala despida de tudo. A TV desligada. Esquecida pela vontade de nada saber. De nada querer. Ausência de som. De movimento. Apenas um leve oscilar do cortinado. Uma dança imprevista. A textura polida dos objectos percorrida pela lenta passagem do olhar. Único viajante do corpo estendido. Entregue ao longo sofá. Cor de noite. Cor de manto denso. Uma estranha solidão nadando nua no lago vasto da multidão. Dando à margem. Descansado. No búzio da minha escuta. Nada quero. Ninguém preciso. Nada. Ninguém. Ecos interiores assentando numa neve frágil. Difícil de agarrar. Derretendo rápido demais. Fazendo-se notar apenas num leve arrepio. Que teima em ficar. Não saber o que quero. Não saber já nem o que não quero. Questionar. Não saber o que questionar. Vontade de adormecer ou partir. Mais um dia que passou. Tanto para fazer. Tanto para continuar. Descobrir a vontade no escuro. O telemóvel a tocar. Lembrando o mundo. Deixá-lo tocar até se esvair também no silêncio deste refúgio. Desta concha. Onde poucos entraram. Todos parecem saber o que é suposto. Todos prescrevem receitas. Todos fazem demasiadas perguntas. Todos têm demasiadas certezas. Poucos percebem estas ausências. Poucos tocam com aquele simples abraço ou olhar. Morrer na noite anterior sem nada acusar na autópsia. Músicas. Imagens. Memórias e pecados futuros. Todos em roda. De mãos dadas. Não sei se em sonho se realidade. Os teus olhos também. E a tua mão na minha perna. Contigo ao meu lado. Uma mão quente. Tão quente. Por todo o meu corpo. Tempestades de lâminas afastam-te de repente. Não por minha vontade. Vindas do nada. Sem nexo. Sem fio condutor. Uma espécie de sol e chuva numa alternância aleatória. Sentir o choro de todos sem uma lágrima. Desastre. Acidente. Próximos. Tão próximos. Uma garrafa de gin despercebida. Arrumada no bar. Desfocando dúvidas e certezas que passam no ar. Pairando ao redor. Preciso de espaço. Preciso de tempo. Preciso de ti. 

 

 Vina Apsara, 27 anos, Istambul, 23:00 PM | Autoria de Dry-Martini

4 comentários

Filed under Polaroids cruzadas

4 responses to “Búzio

  1. A ultima frase é tão simples mas tão forte!

    beijos

  2. Menina Pearl,

    Por vezes são as coisas mais simples as mais fortes e intensas .)

    XinXin

  3. Estou ‘farta’ (a bem dizer não estou farta porque ainda não me cansei sequer) de ler e re-ler este texto!
    Tem tanto de mim. Tanto de toda a gente. Tem os móveis e os cortinados de mil e uma casas. Tem os sentimentos de mim e uma pessoas.

    Gostava, apenas, de conseguir escrever assim…

  4. Não digas isso Sandra,

    Estou “cansado” de dizer que escreves muito bem .)

    XinXin

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s